Efeito do treinamento físico na função endotelial em indivíduos com sobrepeso e obesidade: uma revisão sistemática com meta-análise de ensaios clínicos randomizados.

Published: 2 March 2021| Version 1 | DOI: 10.17632/94d9g5hx3v.1
Contributors:
Gustavo Waclawovsky,
Maximiliano Schaun,
Diego Silva da Silva,
Raphael Silveira Nunes da Silva,
Maiquel Bueno Cortes

Description

Introdução: Indivíduos com sobrepeso e obesidade apresentam função endotelial prejudicada o que pré-dispõe essa população a maior risco de desenvolver doença aterosclerótica. O treinamento físico é parte indispensável no tratamento do sobrepeso e obesidade. Contudo, pouco se sabe sobre o efeito do treinamento físico na função endotelial nessa população. Assim, o objetivo desta revisão sistemática foi analisar o efeito do treinamento físico aeróbico e resistido na função endotelial analisada por flow-mediated dilation (FMD) em indivíduos com sobrepeso e obesidade. Métodos: Somente ensaios clínicos randomizados (ECR) e controlados envolvendo indivíduos adultos (≥ 18 anos de idade) com sobrepeso e obesidade, publicados até setembro de 2020, foram incluídos. A busca foi realizada nos bancos eletrônicos MEDLINE (PubMed), Cochrane, LILACS, EMBASE. Efeito randômico foi adotado para as estimativas de efeito e intervalo de predição (IP) para 95% foi estimado para calcular a incerteza dos resultados. Análise da qualidade de cada estudo foi verificada utilizando a ferramenta da Cochrane (RoB2). O software RStudio (versão 1.3.959) para Windows foi utilizado para as análises estatística. Resultados: Um total de 7 ECR (Sobrepeso: 3, Obesidade: 4; n= 358) cumpriram os critérios de seleção. A qualidade dos estudos de acordo com a ROB2 demonstrou como resultado “algumas preocupações”. Comparado ao grupo controle (sem exercício), o treinamento físico aumentou a FMD em indivíduos com IMC ≥ 25,0 kg/m2 (2,1 % [IC 95% +0,8 a +3,3]; p = 0,001), sendo esse efeito dependente do treinamento aeróbico (+2,0% [IC 95% +0,3 a +3,7]), mas não do resistido (+2,3% [IC 95% -0,9 a +5,6]) (p = 0,857). Ainda a estimativa de incerteza do efeito descrita pelo IP para 95% foi de -2,7 a +6,9 %. Concomitantemente, considerando a classificação de IMC, o efeito benéfico do treinamento físico na FMD se manteve (Sobrepeso: +1,7% [IC 95% +0,8 a +2,7]; Obesos: +2,5% [IC 95% +0,4 a +4,6]); (p = 0,497). Conclusão: Nossos resultados demonstram que, apesar do treinamento físico determina melhora na função endotelial em indivíduos com sobrepeso e obesidade, esse efeito ocorre apenas com a modalidade de treinamento aeróbico. No entanto, devido à heterogeneidade e incerteza sobre o real efeito descrito pelo IP 95%, o aumento na FMD decorrente ao treinamento na população com sobrepeso e obesidade deve ser interpretada com cautela. Registrado no PROSPERO; ID: 203397. Palavra-chave: obesidade, sobrepeso, função endotelial, exercício.

Files

Steps to reproduce

Software: RStudio ● library (readxl) ● SobObe <- read_excel ("C:/Banco_FMD_MendlleyData.xlsx") ● View (SobObe) ● meta_FMD1= SobObe <- metacont (t_n,t_mean,t_dp,c_n,c_mean,c_dp,Stady, byvar = Population, data = SobObe, predict=TRUE, sm="MD") ● meta_FMD1 ● forest (meta_FMD1, sortvar = Stady, xlim = c (-7.0, 15.0), col.square = "blue", col.diamond = "red", digits = 1) ● forest (meta_FMD1,comb.fixed = FALSE, sortvar = Stady, xlim = c(-7.0, 12.0), predict=TRUE, col.square = "blue", col.diamond = "red", digits = 1) ● baujat (meta_FMD1) ● metainf (meta_FMD1, pooled="random") ● metareg (meta_FMD1, ~Freq_Total) ● meta_FMD1 <- metareg (meta_FMD1, ~Freq_Total) ● bubble (meta_FMD1, col.line = "blue",col = "black", studlab = TRUE) ● metabias (meta_FMD1,method.bias = "linreg") ● funnel (meta_FMD1)